nunca mais rosas mancharão meu ventre
Quinta-feira, 13 de Julho de 2006
Nocturno III

 

Mal a noite cai, ofereço-me inteira no templo interdito.

Meu amor é tudo, o pouco que tenho para te dar


Fotografia: Mar

publicado por Mar às 20:23
link do post | atirar rosas! | favorito
|

10 comentários:
De Nilson Barcelli a 14 de Julho de 2006 às 13:37
Gostei dos teus nocturnos.
Quando se dá tudo, isso é sempre muito.

Beijinhos e bom fim-de-semana.


De Luis a 15 de Julho de 2006 às 19:59
É pouco e é muito, tão muito que é tudo...dar amor.
Um beijo
Luis


De paulo a 16 de Julho de 2006 às 15:38
Mar, bonita fotografia. É o Templo de Diana, em Évora? O texto também me suscitou um comentário, mas o Luis já disse o que eu pensei, não vou repetir. Beijinhos


De António a 17 de Julho de 2006 às 23:52
--- É bem verdade que o Homem está contribuindotodos os dias para a destruição do tal OZONO de que tanto se fala mas que pelo jeito que as coisas levam qualquer dia teremos que levar para a praia um fato especial para não saírmos de lá torradinhos como os amendoiins. Entrretanto vamos aproveitando os finais das tardes de verão para refrescar a alma e o corpo. Boa noite. António da Louletania


De Maria Papoila a 18 de Julho de 2006 às 22:37
Linda foto Mar para a maior e sagrada oferta... o amor!
Obrigada pela visita e desejo de boas férias.
Oxalá o conflito se resolva para serem melhores.
Beijo


De Nilson Barcelli a 21 de Julho de 2006 às 11:03
Então, não escreves mais?
Já é dia...
Bom fim-de-semana.
Beijinhos.


De Sugcrasis a 23 de Julho de 2006 às 15:52
Esta foi a foto que mais gostei.
Está fantástica!!
E aqui me vou

Sugcrasis
(http://sugcrasis.blogspot.com)


De conchitamachado a 24 de Julho de 2006 às 02:44
Significativo Post!...e Palavras.
Estarei sempre que oportuno.

Desejo uma Boa Semana
Beijinho
ConchitaMachado


De isa&luis a 31 de Julho de 2006 às 18:40
Olá mar,

Gostei muito do teu post
é delicioso quando temos o coração cheio de Amor.

Beijinhos

Isa


De Paulo Sempre a 3 de Agosto de 2006 às 15:18
Não foram própriamente as palavras que me deixaram um desassossego preocupante, foram , isso sim, as imagens degradantes de um Alentejo profundo, triste, melancolico. O monte alentejano, onde nasci, ainda é hoje a mais nobre recordcão de infância: contos dos velhos em noites de Inverno sob grandes chaminés de chouriços, linguiças e paios pendurados.O restolho a secura dos campos e verões escaldantes, ainda me fazem "suar" no gabine de ar condicionado e alcatifas de «arraiolos». O urbano das grandes metroples nunca expulsou de mim a criança rural nem a frescura da água das noras onde os alcatruzes "choravam" dia e noite porque a horta pedia água e mais água.
Obrigado pela imagens.
Paulo


Comentar post

pesquisar
 
Dezembro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

Adeus

Primavera

Quando?

Faz-me o favor...

Amigos

hoje o amar...

hoje o mar...

Nocturno III

Nocturno II

Nocturno I

arquivos

Dezembro 2007

Abril 2007

Janeiro 2007

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

tags

todas as tags

favoritos

Véspera

Carícia

Postal

Sossega

Final de mini-férias

Viagens

Daninha

links
Oil Of Angels - Co...
, Oil of Angels
Support Amnesty International
Cool Slideshows

free counter
rosas

Aidez FREDI en mettant cette bannière sur votre site
blogs SAPO
subscrever feeds